Merck

Os antibióticos mais utilizados na prática clínica mundial são os β-lactâmicos, sendo também os mais suscetíveis à resistência, principalmente pela produção de β-lactamases pelas bactérias Gram-negativas, pensando nisso a Merck busca um novo inibidor de β-lactamases para auxiliar no combate de pneumonias nosocomiais e associadas à ventilação mecânica. 

Trata-se de um estudo clínico, Fase III, randomizado, duplo cego, intervencionista, controlado por comparador ativo para estudo da segurança.

São previstos 536 participantes, randomizados em 1:1, com objetivo de comparar o uso de Imipenem/cilastatina/relebactam versus Piperacilina/ Tazobactam no tratamento de pneumonia nosocomial e pneumonia associada à ventilação mecânica.

O estudo tem duração estimada em 25 meses considerando a inclusão, o tempo de tratamento e o seguimento.

A inclusão de pacientes exige alguns critérios como exemplo, idade mínima de 18 anos, diagnóstico de pneumonia nosocomial ou associada à VM  acompanhada de alterações laboratoriais e radiológicas com necessidade de antibioticoterapia intravenosa. Já a exclusão possui detalhes mais refinados, como uso de determinados psicofármacos, realização de hemodiálise, presença de infecção concomitante viral e/ou fúngica, entre outros.

Atualmente o CEPETI já realizou a inclusão de 11 pacientes, sendo 3 no Hospital do Trabalhador e 8 no Hospital Cajuru. O estudo ainda está com recrutamento aberto no HUC. A previsão de término mundial é em maio de 2019. Atualmente, metade dos pacientes foram inclusos mundialmente. Nosso grupo está trabalhando no recrutamento de novos pacientes. Aguardamos com expectativa o desfecho final da nova droga.